Apoios:

transferir.jpg
43820694_248713309155880_504789902890631
IMG_20181214_181655.jpg
logo_400x400.png
logo.jpg
Imagem3.jpg
ebeb.JPG
Capturar.JPG
images.png
Imagem1.jpg
ABC SAUDE_logo novo.jpg
49459897_2184913991533531_30740439092030
  • White Facebook Icon

 Cronica de Março  do Projeto Costapé2019.

images.jpg

Sábado, 24: Carvalhal – Lagoa de Sto. André, 28 kms

 

Mais um fim-de-semana cheio de companhia. Hoje, dormi em casa da Virgínia, uma amiga de longa data que tinha mostrado vontade de fazer uma etapa connosco. Saímos de madrugada, de táxi, rumo à estação de Sete Rios, em Lisboa, para apanhar o primeiro comboio para Setúbal. É sempre fantástica a vista do nascer do sol na Ponte sobre o Tejo.

Chegamos pelas 7h45, já alguns caminheiros nos aguardavam. Temos duas viaturas para nos transportar até ao Carvalhal, a da Elsa Mendonça e a da Cristina Caiolla. A Ana Tavares e o Rodrigo seguem com a Cristina, eu e a Virgínia vamos com a Elsa. Sento-me à frente e, pouco depois, num silêncio absoluto, adormeço ao sabor do fresco da manhã que entra pela frincha da janela.

Quando chegamos ao Carvalhal, já lá estão o António Carvalho, o Edu Gonçalves e a esposa do António, que nos vai ajudar no transporte das bagagens mais pesadas. Depois de um pequeno-almoço reforçado, iniciamos a caminhada. Tiramos logo uma foto de grupo junto à placa da identificativa da vila. O sol ainda está baixo pelas 9h30.

Todo o grupo em fila indiana pela berma da estrada, de frente para os carros. Uma das maiores etapas em asfalto. Na frente da fila, vamos rodando em bom ritmo. Menos eu. Como sempre, sigo mais atrás a controlar os andamentos dos novos caminheiros. O calor começa a fazer-se sentir. As sombras são raras. A paisagem alterna entre pinhal, areia e vedações. Grande monotonia, a requerer algum sacrifício na progressão. Não é fácil falarmos uns com outros, limita-mos a seguir a sombra do companheiro da frente.

Alguns carros buzinam como se de um cumprimento se tratasse. Acenamos. Perto dos 12 kms, paramos numa sombra para comer qualquer coisa, que o corpo já pede. Mais um pouco de alcatrão, e passamos por Pinheiro da Cruz. O asfalto, além de aquecer mais os pés, provoca um maior desgaste na sola do calçado. Já perto dos 20 kms, finalmente um restaurante com esplanada. Em primeiro lugar, matar a sede com umas belas cervejas e comer algo com mais substância.

Troco impressões com o Rodrigo, se está tudo bem ao nível dos pés. Responde afirmativamente. Sentados, já podemos falar um pouco mais. A Ana e a Cristina vão bem, de bom humor. A Elsa, sempre com um bom ritmo, também está entusiasmada. O António, o Edu e eu estamos cheios de sede e atestamos.

Pouco depois, finalmente, estamos a sair da estrada e a entrar nos arrozais. Muda a cor e o estado de espírito, saudades do pó e dos cheiros do terreno macio. Vamos caminhando aos pares, nada nos impede de parar e tirar umas fotos às cegonhas e ao ribeiro, enfim, estamos no campo.

Mais um pouco de estrada e chegamos à Praia de Melides. Hora de descalçar e ir à beira-mar até à Praia da Lagoa de Sto. André. Muita gente. Olham-nos com um ar pasmado, pois somos os mais vestidos por aquelas bandas. Sabe bem sentir as ondas a baterem nas pernas, a água está ótima. A areia é um pouco grossa e magoa um pouco os pés.

A distância entre os dois grupos vai aumentando. É difícil de caminhar. Estou com uma vontade louca de dar um mergulho. Olhamos uns para os outros a ver quem se despe primeiro. Sou eu. Tiro a carga de mim e lá vou eu para dentro de água. Outros três do grupo acompanham-me. Está bandeira verde e a temperatura excelente. Ficamos até chegar o último grupo de caminheiras, a areia tinha feito das suas a alguns pés. Finalmente, o primeiro banho depois de tantos quilómetros à beira do mar!

Hora de regressar. O Edu leva de volta a Elsa, a Ana e a Cristina, o António e a esposa deixam-me em Santiago do Cacém com a Virgínia. Pernoitamos na Residencial Covas, com uma simpática gerência que a nosso pedido nos reservou logo um táxi para no dia seguinte, às seis da manhã. Fica na memória um jarro de branco à pressão que nos matou a sede e um bom jantar que nos saciou a fome.

 

Despesas: Táxi - €16; Comboio - €7+€5; Jantar - €20; Dormida - €22; Vários - €10

 

 

 

Video:

Trak:

Participantes:

Galeria 10A

PPimenta

Grande Caminhada de 1.200 kms pela costa Portuguesa

com cheiro a mar!...

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now