Apoios:

transferir.jpg
43820694_248713309155880_504789902890631
IMG_20181214_181655.jpg
logo_400x400.png
logo.jpg
Imagem3.jpg
ebeb.JPG
Capturar.JPG
images.png
Imagem1.jpg
ABC SAUDE_logo novo.jpg
49459897_2184913991533531_30740439092030
  • White Facebook Icon

 Cronica de Março  do Projeto Costapé2019.

images.jpg

23.03.2019    COSTAPE    ETAPA 3a 

   Porto - Furadouro 40   kms

Sexta-feira, 22 de março:

 

Um Porto iluminado

Desta vez, desloco-me no Intercidades, do Entroncamento até ao Porto, onde terminara a etapa anterior e, amanhã, começa a terceira. O António já lá está - foi mais cedo, para se encontrar com uns amigos. O quarto está reservado, um albergue com quartos de beliches mistos. Espectacular, mesmo junto aos Aliados. Decoração muito jovial, tipo familiar. Encontro-me com o António na estação de S. Bento, um mês de pois de termos passado por ali, no fim da segunda etapa. Uma vez no albergue, acertamos contas e arrumamos as mochilas no quarto. Há o nosso beliche e um outro, de duas holandesas. Quando nos veem, quebram logo o gelo: se falamos inglês, perguntam. “Um pouco”, respondemos.

 

Decidimos marcar o jantar no albergue. Bacalhau espiritual. Como ainda é cedo, vamos dar um giro, ver umas montras, tirar umas fotos ali por perto. Ao jantar, ambiente familiar. Somos os mais velhos. As conversas fluem e as risadas acompanham histórias hilariantes. Cada um fala das suas aventuras pelos quatro cantos do mundo. A cozinheira senta-se à nossa “beira” e conversamos sobre caminhadas, para não variar. A sopa está divinal, o bacalhau excelente, a cerveja é à discrição.

Para desmoer, uma volta pela Ribeira do Porto. Brutal: muito bom gosto, desde as decorações das lojas e restaurantes às empenas dos edifícios iluminados. Andando junto ao Rio Douro, tiramos bonitas fotos, com a ponte D. Luís, a Lua e a Serra do Pilar como pano de fundo.

De volta ao quarto, e com as duas moças já instaladas, tentamos fazer pouco barulho, a muito custo. Ambos passamos a noite um pouco agitados, enfim.

Video:

Trak:

Participantes:

Sábado, 23 de março: Porto – Furadouro (Ovar), 40 kms

 

Acordo pouco depois das 5 da manhã. Tinha dito ao António que era melhor deixarmos as coisas junto à receção, para não acordar as meninas. Assim fizemos. Chego à receção e está um jovem a fazer as limpezas. Põe-me logo à vontade, apesar da hora. Sento-me num sofá virado para a janela e fico espantado. Um trânsito incrível àquela hora, carros e também pessoas a pé. O António desce para arrumar a mochila nas calmas, estamos quase de saída. Às sete, espera-nos na Estação de São Bento uma outra participante na caminhada de hoje, a Lucinda Bento.

Tomamos um pequeno-almoço ligeiro e iniciamos a etapa em direção à Ponte D. Luís. O movimento de há duas horas tinha parado. Está uma calmaria que nem a água do rio mexe. O Porto é lindo, concentrado, com uma luz própria. O Porto tem cheiro e cor. Já do lado da margem de Gaia, abundam antigas fábricas de artes ancestrais ligadas ao rio. A Lucinda é ligeira e tem bom ritmo, o António faz-lhe companhia. Eu fico para trás, a tirar fotos, a fazer vídeos e a assimilar toda a beleza. Bonita a vista do Porto do lado de Gaia. A temperatura está excelente para março, tudo azul - o rio e o céu.

 

Mais uma surpresa: a companhia de um casal amigo que já não via há 10 anos. O Vítor Lima e a Paula Correia, que nos esperam por baixo da Ponte de Arrábida, em São Pedro da Afurada. Grande alegria em vê-los. Vamos caminhando e conversando sobre outras paragens. O corpo vai aguentado, passo a passo pelos passadiços ou pela areia. Depois de passarmos pela capela do Senhor da Pedra, paramos para beber uns finos na Praia da Granja. Está um tempo magnífico para beber cerveja de manhã, e já temos mais de 15 kms nas pernas. Um casal de americanos fica com alguma inveja do que andamos a fazer. Adoraram a ideia de fazer a costa Portuguesa a pé e dizem que gostavam de participar. Desejam-nos boa caminhada.

Mais um pouco e chegamos a Espinho. Bonita cidade junto ao mar, uma marginal fantástica. Com muita pena minha, é aqui que o Vítor Lima e a Paula Correia nos deixam, ao fim de 23 quilómetros, como previsto. Soube a pouco, mas foi um prazer para mim, que não os via há tantos anos. O almoço serve para meter qualquer coisa no estômago e seguimos, agora só eu, o António e a Lucinda. A temperatura já passa dos 20 graus… A aragem do mar sabe bem, refresca-nos.

 

Rumo a sul, à tarde bate sempre um silêncio, característico de quem faz muitos quilómetros. Desligar um pouco e simplesmente movermo-nos. Passamos por uma ponte muito singular na Barrinha de Esmoriz, onde só circulam pessoas, integrada na rede dos passadiços. Depois da Praia de Cortegaça, e junto ao Parque de campismo, a paisagem e o terreno muda. Entramos num pinhal, com caminho em areia. Apesar de paralelamente, a pouca distância, passar uma estrada, vamos à descoberta. Pequenas subidas e descidas a puxar mais pelo corpo, mas muito agradável o novo cheiro. Andamos por cima das verduras, para os pés se enterrarem o mínimo possível. O António e a Lucinda à frente, eu mais devagar. Mas vou bem, sabendo que estamos quase a acabar a etapa.

Fico satisfeito por termos chegado os três a Furadouro, onde nos separamos da Lucinda, pouco faladora mas uma excelente companheira. As caminhadas servem para ela “limpar o organismo”, e eu não posso estar mais de acordo.

 

Os 40 kms da etapa são batidos mesmo à porta da casa onde vamos pernoitar. Abre a porta uma mulher toda simpática, radiante de nos ver, que nos coloca à vontade. Ficamos no 1.º andar, num quarto com camas separadas, wc, televisão e uma cozinha espetacular para quem viaja. Primeiro que tudo, um banho, porque estamos castanhos. E depois deitamo-nos um pouco até à hora de jantar.

A dona do estabelecimento dá-nos dicas sobre locais para comer, depois de informada que é nosso hábito carregarmos um pouco mais no de sábado. Encontramos um restaurante ótimo: uma dose de lulas para dois e meia de carne, regadas com uma garrafas de 7,5dl de vinho verde para cada um. A seguir a este momento de prazer, cama. Durante a noite, ao tentar alcançar uma garrafa de água no chão, caio da cama abaixo. Não foi nada do verde, António! O colchão tinha pouco apoio lateral…

PPimenta

Lucinda
Antonio
Pimenta
Vitor L
PaulaC
Transporte, dormidas e refeições
Entroncamento-Porto IC = 20.40€
Dormida e jantar no Porto
yes-hostel_espacos_comuns_5a7ad97e7e2a9.
Dormida: 38€ (2 pessoas)
Jantar: 10 €
Almoço:
Pizza Hut Matosinhos 10€ 
 Jantar :Casa Figueiras, Furadouro
23€
20181117-133335-largejpg.jpg
Pimenta

Galeria 3A

IMG_7253.JPG

35€ (2 pessoas)

Grande Caminhada de 1.200 kms pela costa Portuguesa

com cheiro a mar!...

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now